Tudo se passa por ilusão especular

Escolhemos a fotografia por conta das coisas boas que ela oferece. Podemos guardar fotos de parentes e amigos, eventos dos quais queremos lembrar, acontecimentos importantes. Ela pode te chamar a atenção por ser tecnicamente incrível, com luzes super bem equilibradas, peles mais lisas que superfícies polidas. Deixa pessoas  bonitas, ou mais bonitas ou mais estranhas..

Lembro bem de ter visto uma foto publicitária e daí percebi que realmente era isso que eu queria. Queria entender como se controla a luz, e naquele tempo para se buscar uma boa foto não existia pós processamento massivo como hoje, então fui buscar esse conhecimento. Mas alguma coisa no meio do aprendizado me fez perceber que não era só isso que eu queria buscar.

Bons professores me verteram o olhar para o campo mais bonito da fotografia. O poético e a percepção da imagem.

Ministrar aulas é algo assim. A gente ensina porque quer aprender. Eu gosto de ver e acompanhar o desenvolvimento dos trabalhos e o processo criativo. De certa forma, gosto de acompanhar os alunos através de suas imagens.
Nisso, vemos como a pessoa pensa, como resolve, ou como ativa sua imaginação.

Eu buscava o conhecimento técnico. E fui surpreendida com as outras questões que a fotografia lança.

Certa vez me perguntaram se não há encontros sobre crítica de fotografia. Eu não sei. Não tenho o costume de procurar muitos eventos. Pensei que seria legal enfim deixar aqui uma lista de livros que gosto de ler, já que não tenho encontros para indicar, mas pensar em crítica de fotografia nos leva a fazer leituras, e no fim elas são necessárias para compreender o uso da imagem, perceber a ilusão que pode estar contida.

Um livro que foi reeditado agora – Finalmente! – é do Arlindo Machado – Ilusão Especular. Tipo de livro: necessário.

Gosto muito do O mundo codificado – Vilém Flusser. Este é mais associado ao design, bem sensorial, porém me serviu muito para pensar na época do TCC.

Paisagens urbanas – Nelson Brissac Peixoto. Só o título já explica tudo. Muitos trabalhos no início eram de paisagem, de cidade. O primeiro trabalho que me inspirou muito foi de Alexsander Rodtchenko, por isso a leitura desse livro se fez necessária.

E por conta de paisagens e cidades acabei me deparando com As Cidades Invisíveis de Italo Calvino. Pra quem não conhece, não é um livro de fotografia, é literatura. Tem tudo a ver com paisagens, sentir as paisagens com as palavras.

Eu dou aula de processos históricos, ou seja, tem a ver com o decorrer da evolução de técnicas fotográficas. Cada uma surge num momento da fotografia e cada vez ela se tornam mais definidas e de melhor qualidade.

Começo sempre falando de história da fotografia. Uma vez ouvi de uma participante que história da fotografia é chato. Essa provavelmente será a temática do próximo post.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s