que curso de fotografia?

Muita gente me pergunta qual curso fazer para aprender fotografia.

A minha resposta é: depende do que você procura.

Existem muitos cursos esporádicos sobre fotografia abordando temas pontuais ou apenas introdução. Mas muitas vezes percebo que surgem algumas pessoas que buscam por algo mais extenso.

Em São Paulo tem uma variedade enorme de cursos, não conheço todas, mas posso escrever sobre as que conheço.

Sobre cursos livres tem a Focus que fica no Centro de São Paulo. O Enio é um professor muito dedicado, há muito tempo fiz aulas com ele, quando estava começando a entrar a era digital.

Tem também a Fullframe com algumas unidades em diferentes regiões. Não conheço todos os professores, mas um curso que tenho vontade de fazer é o de retrato com a Helô Bortz, que domina a técnica com excelência e com muito carinho.

Um local que frequentei muito e onde aprendi a fotografar foi o Foto Cine Clube Bandeirante, na Augusta. Não visito há tempos, sempre foi um bom espaço de fotografia, recomendo o lugar. Mas tem algo entre eu e a rua Augusta que ficou no passado, cresci lá, meu pai trabalhou por uns 30 anos na região.

Existe o curso técnico do Senac que tem um custo benefício razoável e tem Etecs que oferecem o curso de fotografia. São cursos de mais de 3 semestres, é necessário um bom tempo de dedicação.

Tem gente que acha que é muuuito tempo. Na minha opinião, se quer mesmo estudar e trabalhar com fotografia, não dá para parar de estudar, como em todas as áreas do conhecimento.

Um pouquinho mais extenso é o curso de bacharelado. Vou contar minha experiência, porque a escolha era algo que eu queria  e foi muito legal. Alguns também acha que é muuuito tempo mesmo para estudar SÓ fotografia.

Mas quem está no ramo sabe a complexidade que pode haver dentro dessa área.

Aproveitei bem a graduação, aprendi em quatro anos uma parte do conhecimento sobre fotografia de cento e setenta e cinco anos de invenções, pesquisas e produção de imagem, que não conseguiria buscar sozinha em uma década ou duas. O Senac como qualquer graduação não é uma escola perfeita. Mas para mim o curso foi apaixonante.

Todo ano tínhamos aula de projeto, que foi essencial. Dois anos de laboratório preto e branco, praticamente quatro anos de estúdio, estagiei por seis meses no lab e estúdios que são duas atividades que amo. Tive a oportunidade de estagiar no Sesc Videobrasil e a experiência foi muito legal, porque éramos os fotógrafos do evento. E com a ajuda do professor Eder Chiodetto em parceria com a Fernanda Calfat participei da edição de 2007 do SPFW, fotografando depois para mais duas edições. Fui pela quarta vez, mas não foi pelo Senac diretamente, fotografamos para uma revista. Com a ajuda do mesmo professor, participei do Novos Talentos da Fnac.

 

Assistimos palestra da Helouise Costa, Klaus Mitteldorf, Millard Schiller, Fernando de Tacca, Rubens Fernandes Jr, e aulas com Thales Trigo, Sergio Ferreira, Paulo Rossi, João Pregnolato, João Fávero, Kenji Ota, Wladimir Fontes, Paula Palhares, Denise Camargo e os finados Eduardo Massami e Jairo Botelho, entre muito outros que não vou lembrar de todos agora. Toda essa diversidade de docentes fez a diferença, e todos foram ótimos. Tivemos disciplinas de Tratamento digital, fotografia de arquitetura, fotojornalismo, científica, edição, vídeo, direito, marketing, antropologia visual, imagem digital, história da fotografia, filosofia, fotografia de produto, retrato, história de arte, fotografia cor, iluminação, processos alternativos, conservação, elaboração de exposição, fotografia de shows, e isso é o que eu lembro de cabeça agora. Fora os grupos de estudos que tínhamos antes, frequentei Fotografia Cor e Sistema de Zonas, e queria fazer Poéticas Visuais mas não tive tempo.

Consegui também uma bolsa de estudos para auxiliar a Prof Paula Palhares, mas quando minha irmã engravidou, tive que desistir da bolsa, pois eu voltei a trabalhar o dia todo.

Acha muito tempo para estudar fotografia ainda? Talvez para alguns não valha a pena, mas para mim que escolhi passar isso para frente, foi mais do que válido. 

Independente do curso escolhido, o que importa mesmo é a dedicação do estudante/fotógrafo. Qualquer curso que seja pode ficar bom, ótimo, excelente especialmente se você quiser.

Coloquei alguns nomes, podem pesquisar sobre eles e verão muitas coisas legais. Aconselho visitar as escolas para ter uma noção de como é o espaço antes de decidirem se matricular, vale a pena para tirar dúvidas.

Comecei esse ano pensando em escrever sobre as dúvidas que aparecem para mim. No próximo post falo sobre a famosa escolha das câmeras.

Pinhole day – O dia de fotografar sem lentes

Semana que vem eu e o Edison Angeloni faremos o dia mundial da pinhole no Sesc Pompeia.

No sabado dia 28 e domingo dia 29 de abril tem oficina de pinhole com papel fotografico pb as 14:30h
Domingo ainda tem ao meio dia o Super Observatorio do Mundo Invertido, quando a Internet Livre se transforma numa grande camera obscura. Mais tarde, 17h convidamos a quem fez as pinholes em lata a postar no site oficial do pinhole day.

Esse eh um evento que acontece em varios paises com a ideia de fazer uma fotografia sem lentes e postar no site sua imagem.

Mais informacoes:

http://www.sescsp.org.br/sesc/programa_new/busca.cfm?conjunto_id=9759