Minhas rotas de outubro e o setembro que passou

Hoje começa um curso de 4 aulas sobre Retrato no Sesc Vila Mariana. Quartas feiras das 19h às 21h

http://www.sescsp.org.br/aulas/74227_O+AUTORETRATO+NA+FOTOGRAFIA

Curso sobre Retrato

Curso sobre Retrato

Nesse mês a rota segue por São José nas quintas feiras dando continuidade ao curso de Fotografia e Imagem Alternativa. Mês que vem retornamos ao esquema quartas e quintas.

20150917_203506

construímos a câmera obscura Chikaoka

20150917_201910

assistindo a uma partida de futebol de ponta cabeça

20150924_120951

fizemos a câmera pinhole de caixa de fósforos. Lá atrás a bagagem teórica sobre a pinhole que eu gosto.

Aos sábados estou em companhia do Serginho Ferreira com o Sistema de Zonas no Pompéia.

muito sério esse Serginho

muito sério esse Serginho

e Terças estou no Pompéia com a Fotografia Alternativa. Ontem fizemos Marrom Van Dyke.

Mês passado fizemos Quimigramas no Sesc Santo André e Sesc Bom Retiro.

20150926_114252

No Sesc Santo André nos baseamos nas fotogravuras de Alex Flemming para trabalhar em cima do papel fotográfico.

Do Sesc Bom Retiro acabei ficando sem fotos para mostrar.

Aqui vai ficar só a história (adoro contar histórias) de uma das participantes do curso. Fiquei tão entretida com a turma que esqueci de registrar uma imagem.

Sabem que o Quimigrama é uma atividade basicamente de desenho em cima de papel fotográfico não é?

Pois veio o Pablo junto com sua mãe (eu não sei exatamente como escreve seu nome então não vou escrever errado aqui). Ela tem uma deficiência visual e  seu filho a ajudava a abrir as portas, sentar no lugar onde trabalhávamos e enquanto ele desenhava ela estava me contando sua história.

Ela trabalhava como desenhista de moda. E resolveu fazer um quimigrama representando ela, seu filho e seu noivo. Pablo guiava e eu também para ela saber se estava conseguindo fazer o desenho do jeito que queria.

Frequentava o Sesc antes de perder a visão, contou que Pablo descende de japoneses, coreanos e chineses, e que o trazia para a unidade desde bebê, senão ele fica no só videogame.

Seu noivo chegou e Pablo não parava de correr junto a uma menina que havia chegado com ele. Ela me contou que enxerga mais cores escuras (conseguia ver que meu cabelo era preto) e que seu noivo conseguia ver mais detalhes e mostrou seu desenho a ele.

E eles foram levar as crianças para andar de skate (ou patins) na pista adaptada em frente a unidade.

Depois que foram embora me dei conta que não registrei nenhuma imagem. Mas muitas vezes a gente nem precisa mesmo. Vai ficar na imaginação de quem ler.

Goma

Enfim, terminamos mais um curso no Sesc Pompéia de Processos Históricos. Desta vez, juntamente com papel artesanal a proposta era adequar papel aos processos e verificar quais os melhores papéis para cada técnica.

Mas hoje experimentamos a goma bicromatada e como eu já imaginava a textura do papel muito enrugado nem sempre dá bons resultados para o início com goma. Não que fique ruim sempre, é que o processo, exige maior controle de início, sendo melhor aprendê-lo nas primeiras tentativas com papel mais liso.

Observação: explicando bem o que eu quis dizer, pensando na didática, para iniciar os primeiros experimentos com goma, não achei interessante usar papel artesanal porque como eu já imaginava, fica mais difícil obter bons resultados. Digo isso porque a maioria erra justamente quando chega na goma, independente do papel, é um processo delicado e qualquer variação faz com que fique um pouco mais difícil de aprender e tende à frustação. Não estou pensando nisso à toa. Meus primeiros testes foram com um papel artesanal e pra aprender realmente foi mais penoso, porque não sabíamos como o papel reagiria.

Mais para frente irei postar as fotos dos processos, não consigo fazer mil coisas ao mesmo tempo e tenho que terminar um projeto agora.

Segue a fórmula:

PREPARO DA GOMA
70ml goma arábica
200ml água destil.
-Algumas gotas de formol para conservar. Alguns dizem que deixar na geladeira conserva bem.
nota: tem gente que prepara a goma diluindo-a em água morna. Eu coloco a goma numa gaze como um saquinho, como ensina no Keepers of Light e deixo pendurado num pote com água. Aos poucos ela dilui, deixando as impurezas dentro do saquinho de gaze. Depois é fechar bem. Se guardar por muito tempo é bom adicionar o formol. Deixei uma vez na geladeira, mas ficou com cheiro forte mesmo assim. E quando começa os odores é ruim…

PREPARO DO DICROMATO
13g dicromato de potássio
100ml água destilada
(já vi fórmula com metade da quantidade de água para a mesma quantidade de químico, testei mas não cheguei a grandes conclusões.)

Partes iguais da solução de goma e de dicromato para uso. A quantidade de pigmento de aquarela depende de cada cor. Pode ser o pó ou em tubos.

Mistura-se primeiro o pigmento com a goma. De preferência bem macerado num pote áspero. Depois, o dicromato.

Expor: trinta segundos num sol quente de inverno de SP capital são suficientes. Na mesa de luz do lab dá uns 3 minutos em média. De acordo com a cor escolhida, não dá pra ver se o tempo foi suficiente ou não.

Revelar:
Bandeja de água limpa, deixe a cópia com o verso para cima. O dicromato se solta, junto com a goma que não foi endurecida caindo aos poucos.
Depois de alguns minutos esqueça a cópia em outra bandeja. Ela se revela lentamente.

O interessante da goma é fazer mistura de cores, até tricromia, separando os canais de cmyk para produzir uma fotografia cor.

Segue uma imagem do Edison Angeloni de Tricromia.

Cursos Sesc Pompéia 2012

Abrem hoje as inscrições no Sesc Pompéia de Cursos Regulares e dentre eles segue meu curso juntamente com a professora Helen Ikeda de papel artesanal.

CURSOS REGULARES 1. SEMESTRE DE 2012 – OFICINAS DE CRIATIVIDADE

Processos Históricos Fotográficos e Papel Artesanal

SESC Pompeia

13/03 a 03/07.
Terças, das 9h30 às 12h30.

Curso que apresenta métodos de produção de papéis artesanais nas técnicas ocidental e oriental a partir de matérias primas como algodão, curauá e bagaço de cana. Os papéis produzidos serão utilizados como suporte para processos fotográficos históricos do século XIX, em que os participantes experimentarão as técnicas de cianotipia, marrom van dyke, papel salgado e albumina. Orientação de Beth Lee e Helen Ikeda Duração: 16 encontros.

Beth Lee é formada em Fotografia pelo Senac, participou de exposições coletivas e festivais de curta metragem, como na Galeria Olido e Festival da Lapa-PR. É especialista em técnicas alternativas e históricas de revelação fotográfica. Helen Ikeda é Bacharel em História pela USP, com Especialização em Conservação de Bens Culturais Móveis (Abracor/ Escola de Belas Artes, UFRJ) e em Celulose e Papel (Escola Senai, Theobaldo de Nigris, 2005). Atua como conservadora e restauradora de papel desde 1981 e, diversas instituições como o Museu Paulista-USP, Museu de Arte Contemporânea-USP, Museu Lasar Segall e Fundação Bienal de SP. E, em ateliê particular, atua também com Papelaria Artesanal.

Inscrições: Terça, 28/2, para comerciários matriculados; Quarta, 29/2, para demais usuários.

Inscrições para vagas remanescentes a partir de 3/3, sábado, 10h, até o preenchimento total das vagas.

Não recomendado para menores de 16 anos

R$ 60,00 [inteira]
R$ 30,00 [usuário matriculado no SESC e dependentes, +60 anos, professores da rede pública de ensino e estudantes com comprovante]
R$ 15,00 [trabalhador no comércio e serviços matriculado no SESC e dependentes]
Valores da mensalidade.