Caverna de Platão ainda

Ainda não sei o que é real, onde estão as sombras e onde está a luz.

Fotografia infravermelha. Escrevendo o T.C.C. e assistindo ao filme “Soy Cuba”, fiquei pensando sobre a minha necessidade de representar as coisas que penso em infravermelho.
Mostrar o que não se vê.

Uma idéia, ideal.

Ao escolhê-lo, estou tentando chegar num cenário inalcançável, inexistente, utópico. Que apenas poderia ser encontrado e visualizado em sonhos. Ou imagens.