Dusting on process – Revelação a pó

em 2005 vi um amigo da faculdade fazendo esse processo e me encantei.

É uma técnica a partir de mel ou açucar que se revela a seco, com pigmento em pó.

A graça é que pode-se facilmente usar vidro, cerâmica ou metal como suporte.

Buscando a fórmula nos livros a finalização descrita se dá somente em retornar a foto para a exposição de luz e o resíduo químico continua lá. Daí em 2007 fiz vários testes para conseguir limpar essa imagem com água gelada.

 

Atualização 19.04.17

O processo segundo as bibliografias abaixo tem um misto das pesquisas de vários nomes, Vacquelin, Ponton, Becquerel, Talbot Archer, Garnier, Salmon e Poitevin.

Vacquelin no final de 1700 e Suckow em 1832 em relação aos cromatos. Mungo Ponton em 1839 faz um estudo sobre a sensibilidade do dicromato de potássio à luz. Em seguida Becquerel em 1840 percebe a reação do dicromató com amidos utilizados em encolagens de papéis.

Alphonse Poitevin em 1855 aplica dicromatos na produção de cópias fotomecânicas. Em 1858 utiliza uma solução coloidal com dicromato, mel e goma arábica. É o primeiro a adicionar pigmento no processo.

Henri Garnier e Alphonse Salmon em 1858 fazem pesquisa com citratos férricos mas abandonam para uma fórmula com dicromató de amônio e açúcar que posteriormente se utiliza para transferência em superfícies cerâmicas.

Um positivo é necessário para a técnica. As partes protegidas de luz U.V. continuam grudentas e o pigmento em pó fica grudado nessas áreas.

fonte: Christopher James – The Book of photographic alternative processes – 3. edição

Kent Wade – Alternative photographic processes

 

 

 

 

Anúncios

Oficina de Fotografia Anthotype no CCJ em Agosto

O CCJ está com uma boa programação de cursos em agosto e dentre eles está meu curso de anthotype.

SEMANA TEMÁTICA: FOTOGRAFIA

OFICINA: FOTOGRAFIA ALTERNATIVA – ANTHOTYPE

Relógio - Anthotype 2008 - Beth Lee

Experimentação de uma técnica fotográfica histórica do século XIX, realizada a partir do uso de plantas, frutos ou flores. O participante aprenderá a confecção da imagem, montagem e conservação. Com: Elizabeth Lee, bacharel em Fotografia com habilitação em Fotografia Aplicada pelo Centro Universitário Senac. É docente do projeto Cidade Invertida, ministra oficinas de fotografia artesanal no Sesc e trabalha como fotógrafa de eventos para revistas e empresas, still e fotografia de arquitetura pela Odju Produção de Imagem. http://www.flickr.com/bethzlee | http://www.flickr.com/fotons

Oficina: dias 10, 12 e 17/08, das 14h às 16h.

Local: Espaço Sarau.

Inscrições: a partir de 01/08, na recepção do CCJ.

Obs: +15 anos. 15 vagas. Critério de seleção: ordem de inscrição.

http://escuta.estudiolivre.org/2011/07/18/oficina-fotografia-alternativa-%E2%80%93-anthotype/

obs: Só pra esclarecer, eu sou professora no Sesc, o curso é de processos históricos do Sesc, não Senac.